Rádio Verona - 106,9 FM
Anúncio
covid:19

Piauí recebe R$ 1,6 milhão para pesquisa sobre Covid-19

O projeto de pesquisa do professor Márcio Dênis, da Universidade Federal do Piauí, sobre o comportamento da Covid-19 no Estado foi selecionado pelo CNPQ e será contemplado com financiamento no valor de R$ 1,6 milhão

20/08/2020 08h04
Por: Noé Santos
Fonte: cidadeverde.com
33
Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde
Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde

O projeto de pesquisa do professor Márcio Dênis, da Universidade Federal do Piauí, sobre o comportamento da Covid-19 no Estado  foi selecionado pelo CNPQ e será contemplado com financiamento no valor de R$ 1,6 milhão. O tema do trabalho é Inquérito Sorológico de Infecção pelo novo coronavírus ( SARS-CoV-2) e Fatores Associados em Diferentes Grupos Etários, um estudo para compreender a magnitude e a dinâmica da doença.

O professor Márcio Denis, que é sub-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Comunidade, explica que como a Covid-19 é uma doença nova existem vários fatores que precisam ser melhor explicados. Para isso, será feito um inquérito sorológico seriado em quatro etapas , de base populacional, em amostra representativa do Piauí. Além disso, serão realizadas entrevistas  para coletar dados sociodemográficos,  comorbidade dos pacientes, distanciamento social, grau de conhecimento da doença, entre outros. O estudo será realizado nos municípios de Parnaíba, Piripiri, Teresina, Campo Maior, Picos, Oeiras, Valença do Piauí, Floriano, São Raimundo Nonato, Bom Jesus e Uruçuí, que representam municípios-sede de cada território do desenvolvimento. Ao final, serão aplicadas 9.240 entrevistas. A amostragem é do tipo probabilística com múltiplos estágios. O projeto foi apresentado por meio do CIATEN – Centro de Inteligência em Agravos Tropicais, Emergentes e Negligenciados –  do Centro de Ciências da Saúde da UFPI, e disputou com projetos de vários estados brasileiros. O recurso já foi empenhado e, assim que cair na conta, começa a pesquisa de campo, o que deve acontecer ainda este ano. O prazo previsto para conclusão do trabalho é de dois anos. Ao final desse período, teremos uma melhor compreensão de como a doença se manifesta nos diferentes grupos de risco e com qual intensidade. E o conhecimento, como se sabe, é o melhor caminho para a prevenção e o tratamento de qualquer epidemia.





Por: Cláudia Brandão 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários